• FaceBook
  •   
  • Twitter

Todos Iguais, Todos Diferentes?

iguais diferentes

Fotografias de Verger celebram a diversidade cultural

Em tempos em que o mundo apresenta o retorno de discursos preconceituosos que carregam a ideia de supremacia cultural, a Fundação Pierre Verger, inspirada na vida e obra do seu criador, coloca em cartaz no Museu da Imagem e do Som (MIS), em São Paulo, uma exposição que chama a atenção, provoca e incita o público a refletir sobre um tema que é, certamente, uma das principais riquezas existentes no mundo: a diversidade cultural.

Em Todos Iguais, Todos Diferentes?, as fotografias de Pierre Fatumbi Verger nos revelam a beleza da pluralidade dos povos e aquilo que foi não apenas o seu objeto de pesquisas e trabalhos, mas, principalmente, o seu objetivo de vida desde que saiu da França, na década de 1930, para buscar o encontro com o outro e consigo mesmo, adotando uma nova forma de viver e de pensar.

A importância e a sinceridade dessas relações podem ser apreciadas na exposição Todos Iguais, Todos Diferentes? e no livro homônimo, lançados no dia 31 de agosto de 2019, dentro da programação do FOTO MIS 2019. O projeto, que apresenta retratos produzidos por Verger entre os anos 1930 e 1970, em mais de 20 países dos cinco continentes, respira a diversidade e o respeito.

Com curadoria de Alex Baradel, a exposição exibe mais de 200 fotografias, apresentadas através de diversos formatos e suportes – ampliações recentes e documentos originais – e também por projeções de Motions Graphics, baseados em retratos realizados por Verger ao longo da sua vida. Um aplicativo para smartphones desenvolvido para a exposição permite ao visitante ouvir depoimentos sobre a diversidade cultural narrados por diversos artistas, intelectuais e pensadores oriundos dos países visitados por Verger; a exemplo de Esteban Volkov e Juan Coronel Riveira, netos de Trotsky e de Diego Riveira, respectivamente.

O lançamento do livro Todos Iguais, Todos Diferentes?, aconteceu na abertura da exposição, junto à palestra de Rubens Ricupero, que assina o prefácio da obra, prosseguidos por um bate papo entre o ex-Ministro, o curador do projeto e o público presente. O livro é uma publicação da Fundação Pierre Verger que, no dia, será vendido pelo preço promocional de R$ 90,00.

Alex Baradel, resume a essência desse pensamento que Verger nos deixou através das suas fotografias: “Elas expressam uma das contradições mais importantes, universais e indispensáveis para um mundo harmonioso, mas que infelizmente é raramente aceita: no fundo, somos todos iguais em sermos diferentes; assim, somos todos diferentes, mesmo sendo iguais ou deveríamos sê-lo”.

É interessante observar que a exposição Todos Iguais, Todos Diferentes? nos apresenta um trabalho muito menos antropológico e documentarista, porém exibe e reafirma uma obra e um Verger mais cosmopolitas e atemporais.

A exposição é patrocinada pela PwC Brasil, através da Lei Rouanet.

-------  

ExposiçãoTodos Iguais, Todos Diferentes
Local: Museu da Imagem e do Som (MIS) - Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo/SP, Brasil.
Abertura: 12 de janeiro de 2019, às 10 horas
Visitação: 1º de setembro a 13 de outubbro. Terças a sábados, das 10h às 20h (com permanência até 22h); domingos e feriados, das 10h às 18h (com permanência até 20h).
Ingresso: R$ 20,00 (inteira) R$ 10,00 (meia).
Censura: Livre.